sexta-feira, 31 de maio de 2013 @ postado por Marina Maciel

Escrever esta notícia hoje me fez lembrar da primeira matéria que saí à rua para escrever, com minha querida amiga e colega de profissão Marília Barbosa. Nossa missão era buscar por depoimentos a respeito da lei que proibia o fumo em lugares públicos no estado de São Paulo. Entrevistamos revoltados, revoltosos, gente em cima do muro, bêbados e alheios ao mundo. Aquele dia foi, sem dúvida, uma das melhores e mais esclarecedoras lições de jornalismo que tive nos quatro anos de faculdade.

pesquisa-controle-cigarro-560

Marina Maciel – publicado no site Planeta Sustentável e na EXAME.com

Responsável por 5,6 milhões de mortes anuais, o tabaco é a principal causa de morte evitável no mundo. No entanto, a maioria da população paulistana apoia a adoção de medidas de controle do tabagismo, revela pesquisa realizada pela ACT – Aliança de Controle do Tabagismo, encomendada pelo Instituto Datafolha, entre abril e maio de 2013.

O estudo - que entrevistou 1096 moradores da cidade de São Paulo, de 16 anos ou mais, dentre os quais 221 fumantes - aponta que 76% dos paulistanos aprovam a resolução da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que proíbe aditivos de aroma e sabor nos produtos derivados do tabaco.

Isso porque cigarros com sabor são porta de entrada para o vício, aponta a pesquisa. Aditivos de menta, cacau, baunilha e morango, por exemplo, camuflam o gosto ruim e tornam o ato de fumar mais agradável, especialmente para quem nunca fumou. A Anvisa determinou que os fabricantes deverão cessar a produção de cigarros com aditivos em setembro deste ano e parar de vender até março de 2014.

Em 2009, entrou em vigor a lei estadual antifumo, que proibiu o fumo em locais públicos fechados. A medida é aprovada por 91% dos paulistanos entrevistados – mesmo entre os fumantes, o índice de aprovação é alto: sete em cada 10 pessoas concordam com a lei. Desde o primeiro ano de vigência da medida, o consumo de cigarro caiu pela metade.

Além disso, a pesquisa também constatou que a maioria da população da cidade é favorável à adoção de medidas de redução de consumo de cigarros:
- 75% apoiam o aumento de preços e impostos de cigarros;
- 76% são favoráveis que os cigarros sejam vendidos embaixo do balcão, como já acontece em países como Inglaterra, Escócia e Canadá, e
- 76% concordam que a exposição do cigarro estimula o consumo e a compra, principalmente pelos mais jovens.

Foto: cszar/Creative Commons


0