sexta-feira, 30 de agosto de 2013 @ postado por Marina Maciel

recaptcha

Marina Maciel – publicado no site Planeta Sustentável, no site da revista Superinteressante e no site da revista National Geographic Brasil

Até pouco tempo atrás, o Captchaa ferramenta anti-spam que nos obriga a digitar as palavras de uma imagem na internet – não tinha outra finalidade senão diferenciar computadores e humanos. Diariamente, cerca de 200 milhões de Captchas são resolvidos em, aproximadamente, 10 segundos cada. Isso significa que as pessoas perdem, todos os dias, mais de 550 mil horas com a tarefa – que não é lá das mais legais, não é mesmo?

Já que para garantir a segurança da web é preciso, de qualquer maneira, digitar as palavras, por que não aproveitar o esforço das pessoas para gerar algo bom, como digitalizar livros? Com essa ideia, nasceu o projeto ReCaptcha*, do guatemalteco Luis von Ahn – não coincidentemente, um dos criadores do Captcha.

Como o que você digita pode facilitar essa tarefa? Antes de responder a esta pergunta, é preciso saber que existe um processo automático que digitaliza livros. Porém, esse sistema não é à prova de falhas e, muitas vezes, não consegue reconhecer algumas palavras de obras mais antigas.

É aí que entra a sua ajuda. O ReCaptcha usa duas palavras: – uma que conhece (assim julga se você é humano ou máquina) e outra que não compreende. Ao gastar apenas 10 segundos de seu tempo para decifrar a palavra, internautas de todos os cantos do planeta podem contribuir para o mundo ter mais livros digitais.

Estima-se que mais de 750 milhões de pessoas – aproximadamente 10% da população mundial – já tenham ajudado a digitalizar, pelo menos, uma palavra. Por dia, cem milhões de palavras são digitadas na ferramenta. O que equivale a 2,5 milhões de livros por ano!

Saiba mais sobre o projeto na palestra de von Ahn no TED, abaixo (em inglês):

*ReCaptcha

Leia também:
Leia mais (de graça) e “dê ao mundo” o seu livro favorito


0